GAMBAS: uma linguagem alternativa livre para desenvolvimento de aplicações GUI em Linux

GAMBAS: uma linguagem alternativa livre para desenvolvimento de aplicações GUI em Linux

Resumo

Este artigo visa a apresentar a linguagem GAMBAS, que é uma variante do BASIC, como alternativa para desenvolvimento de aplicações com interface gráfica (GUI – Graphical User Interface), em ambiente GNU/Linux, em oposição a linguagens comerciais mais conhecidas, como Java e C/C++, as quais possuem curvas de aprendizagem bem mais íngremes. Para isso, desenvolveu-se uma interface gráfica CRUD (Create/Read/Update/Delete) para o banco de dados de demonstração livre, Chinook, em sua versão para SQLite. Concluiu-se, através deste experimento, que a linguagem GAMBAS tem um grande potencial para o desenvolvimento de aplicações do tipo front-end, pois além da facilidade no aprendizado, por ter uma ótima documentação online e offline, embutida num bom ambiente integrado de desenvolvimento (IDE), totalmente escrito em GAMBAS, com suporte a arrastar e soltar controles em uma interface WYSIWYG (What You See Is What You Get), também apresenta suporte nativo aos bancos de dados Postgres, MySQL, SQLite, além de suportar conexões via ODBC.

Palavras-chave: GAMBAS. BASIC. SQLite. GNU/Linux. Aplicações GUI.

1 Introdução

Diante da popularização crescente do sistema operacional GNU/Linux, cresce também a demanda por aplicações e ferramentas de desenvolvimento, sobretudo, ferramentas que possibilitem o desenvolvimento rápido de aplicações (RAD – Rapid Application Development). Em razão deste cenário, o presente artigo objetiva a apresentar o projeto Gambas como uma ferramenta alternativa às tradicionais para desenvolvimento de aplicações com interface gráfica em ambiente GNU/Linux, com foco restrito a aplicações gráficas do tipo front-end com acesso a banco de dados, delimitando assim o escopo deste trabalho. Com vistas a atingir o objetivo proposto, apesar da escassez de material bibliográfico formal acerca do tema, por tratar-se de um projeto alternativo em software livre, realizou-se uma pesquisa bibliográfica em materiais disponíveis na internet, a qual subsidia a exposição descritiva do tema, bem como realizou-se, complementarmente, o desenvolvimento de um projeto simples dotado de uma interface gráfica e capaz de realizar as operações CRUD (Create/Read/Update/Delete) em um banco de dados SQLite, com o objetivo de experimentar e demonstrar, na prática, o uso e a aplicação tanto da linguagem quanto do ambiente integrado de desenvolvimento do Gambas na resolução do problema proposto, respeitando seu escopo e, posteriormente, realizando uma análise qualitativa acerca da maturidade e usabilidade da ferramenta em comento.  (…)

Clique aqui para baixar o artigo completo em PDF.

Pacote com o código fonte da aplicação desenvolvida para o artigo (chinook2-1.0.tar.gz).

Logo circular do Gambas
Logo circular do Gambas

Salvar

Rede social que paga seus usuários pelo conteúdo postado: Tsu!

Tsu - a rede social que paga seus usuários
Tsu – a rede social que paga seus usuários

Tsu é uma rede social que paga seus usuários pelo conteúdo original postado e compartilhado.

Ela foi criada há mais ou menos um ano e pode ser acessada mediante convite de outros usuários já cadastrados. Para se destacar numa área tão concorrida, o Tsu aposta na repartição dos lucros com os usuários através do pagamento de royalties.

O CEO do Tsu chama-se Sebastian Sobczak e segundo o site, 90% dos valores obtidos através dos anúncios é revertido aos usuários em forma de royalties desde que o conteúdo seja originalmente criado por eles. Quanto mais interação houver entre os usuários, mais royalties são gerados, sendo que o autor recebe uma porcentagem maior e, à medida que as pessoas vão compartilhando, vão recebendo porcentagens menores. Os valores nos saldos dos usuários podem ser transferidos e doados à vontade (taxa de 3%) e também podem ser doados a instituições de caridade. Para solicitar o pagamento é necessário juntar $100,00 em seu saldo.

Não há muita diferença entre o Tsu e as outras redes sociais que já conhecemos, pois nela podemos angariar seguidores, amigos, criar relacionamentos familiares e grupos, além de poder postar e compartilhas fotos, vídeos e textos. Também é possível selecionar quem pode ver e compartilhar os conteúdos que criamos. Quem já usa o Facebook não terá a menor dificuldade em utilizar a plataforma do Tsu, a não ser que não saiba inglês, pois pelo que eu pude notar, ainda não é multi-idiomas, mas tudo indica que será em breve.

Segundo Sobczak, o significado da palavra “Tsu” é “estética ideal“, com origem na língua japonesa. O Tsu já conta com mais de 4,5 milhões de usuários cadastrados, e vem superando tanto o Twitter quanto o Facebook em taxa de crescimento, segundo os especialistas.

Se tiver alguma dúvida, poste um comentário. Ficarei feliz em responder.

Para cadastrar-se a meu convite, clique aqui. (Não esqueça de me adicionar e seguir 🙂 )

 

 Fontes: Olhar DigitalHuffington Post

Sete meios através dos quais a tecnologia vem mudando a segurança residencial

A tecnologia mudou radicalmente a segurança residencial, que é a nossa forma de proteger nossas casas. O que antes era possível apenas em filmes de ficção científica está agora gradualmente se tornando realidade. A revolução digital finalmente chegou em nossas casas.

 

Segurança residencial e automação
Segurança residencial e automação

 

1. Monitoramento remoto: monitoramento remoto é uma ótima maneira de ficar de olho em sua casa quando estiver fora, seja no trabalho, ou em qualquer outro lugar. Mesmo se você estiver de férias em uma praia a quilômetros de distância, você ainda poderá receber vídeos em tempo real e fotos do que está acontecendo em sua casa. Alguns dos recursos que o monitoramento de sistemas fornece agora incluem a capacidade de armar e desarmar sistemas de segurança, enviar alertas de incêndio ou de intrusão, e transmitir vídeos das câmeras de segurança.

2. Fechaduras inteligentes: talvez um dos melhores recursos novos em tecnologia de segurança residencial seja o advento da fechadura inteligente. Estas fechaduras podem detectar sua presença automaticamente usando bluetooth em seu smartphone, por exemplo, e abrir a porta para você. As melhores fechaduras digitais também podem conectar-se com seu sistema de automação residencial e informar outros dispositivos, como o termostato inteligente, que você está longe e para entrar no modo de economia de energia.Enquanto fechaduras bluetooth são mais seguras, ao mesmo tempo elas têm menos recursos. Já fechaduras com Wi-Fi, por outro lado, têm mais funcionalidades, tais como a capacidade de ver se a porta está trancada em tempo real. No entanto, a conexão com a internet também as torna mais vulneráveis ​​a invasões de segurança on-line.

3. Sensores residenciais: existem inúmeros kits premium de segurança residencial disponíveis atualmente que são capazes de sentir sua presença e abrir ou fechar a porta automaticamente. Os sensores residenciais podem ser instalados em portas e janelas e usar detecção de movimento, de piscar dos olhos, e de ondas para determinar sua identidade. Eles podem ser facilmente controlados a partir de um smartphone ou tablet. Além disso, kits de sensores residenciais podem detectar movimento nos corredores, passagens e cômodos. Quando disparados, alertas de movimento serão enviados para o seu dispositivo inteligente por texto (sms) ou e-mail. Dessa forma, se alguém tenta entrar, você será alertado imediatamente. Muitos sensores residenciais também possuem sinalizadores embutidos que fornecem avisos sonoros e visuais quando ocorre um evento de disparo.

4. Sistemas inteligentes de garagem: controlar a sua garagem ficou mais fácil do que nunca com sistemas inteligentes de garagem. Eles funcionam conectando-se um adaptador de rede em seu roteador de casa, e em seguida, registrando-se a unidade com um provedor. Então, você pode usar o aplicativo para controlar a porta da garagem com seu dispositivo Android ou iOS, permitindo que pessoas entrem ou saiam da sua garagem quando você não estiver em casa. Isto significa que você não precisa mais esconder a chave debaixo do tapete. Estes sistemas também permitem que você saiba quanto tempo a porta da garagem ficou aberta, e vêm com sensores de movimento para proteger as crianças pequenas e animais de estimação que podem estar entrando ou saindo da garagem, enquanto a porta está sendo fechada.

5. Leitores de impressão digital: apesar de já ter sido uma fantasia futurística para os amantes de ficção científica, os leitores de impressões digitais estão se tornando disponíveis para pessoas de quase todo nível socioeconômico, contanto que ela tenha um smartphone ou tablet. Embora a tecnologia ainda esteja em desenvolvimento, dispositivos de leitura de impressões digitais estão rapidamente ganhando espaço. Fechaduras com leitores de impressões digitais também estão se tornando cada vez mais utilizados, e poderiam ser uma boa alternativa para  fechaduras bluetooth ou com Wi-Fi mencionadas anteriormente.

6. Câmeras inteligentes: as câmeras de segurança residenciais estão mais baratas, mais fáceis de instalar, e mais inteligente do que nunca. Agora que as câmeras inteligentes mais modernas vêm com conectividade Wi-Fi, você pode facilmente transmitir, ao vivo, tudo que está acontecendo em sua casa. Você também pode salvar esses vídeos na nuvem para que você possa revê-los mais tarde, caso necessite.

7. Sistemas de automação residencial completa: existem também sistemas de automação residencial completa que lhe permitem controlar fechaduras, luzes, termostatos e câmeras de segurança todos a partir do seu smartphone ou tablet. E o melhor de tudo isso é que você não precisa nem estar em casa para fazê-lo.

Texto original (em inglês)

Novo BlackBerry Priv – Android e teclado físico (vídeo oficial)

Quem curte a idéia de um BlackBerry rodando Android precisa ver isto!

Novo BlackBerry Priv com Android
Novo BlackBerry Priv com Android

“O próximo dispositivo da BlackBerry está prometendo ser uma das grandes novidades do mercado de aparelhos móveis, ainda mais por combinar toda a segurança da companhia com a produtividade do Android. Além disso, o smartphone é a aposta da companhia para um futuro melhor, já que faz algum tempo que seu setor de dispositivos móveis não está indo tão bem. Agora a empresa liberou mais um conteúdo sobre o aparelho.

Há pouco uma companhia fez um Hands-On do BlackBerry Priv, mas a fabricante canadense soltou pouco conteúdo oficial. Agora chegou a hora de conhecermos um pouco mais sobre o potente aparelho com Android.

Nessa sexta-feira (16/10) a BlackBerry liberou um vídeo para fazer uma introdução do seu dispositivo, finalmente o primeiro conteúdo audiovisual promocional está disponível. Ele não mostra muito das possibilidades do aparelho, mas agora os fãs podem consumir um conteúdo em oficial e saber que esse é realmente o Priv.

O BlackBerry PRIV virá com tela de 5,4 polegadas em resolução Quad HD (2560 x 1440 pixels), protegida pelo vidro curvo 2.5D, 3 GB de RAM, chipset Qualcomm Snapdragon 808, incluindo seu processador de seis núcleos e a Adreno 418 como unidade gráfica, 32 GB de memória para o armazenamento interno, podendo ser expandida via cartão microSD, câmera principal de 21 megapixels e frontal de 5 megapixels, suporte às redes 4G LTE, Bluetooth 4.1 e o Android 5.1.1 Lollipop. Por fim, também é informado que a novidade trará uma generosa bateria de 3.410 mAh.

“A produção tem apenas cerca de 40 segundos, você pode visualizar acima bem rapidamente e matar um pouco da ansiedade. Segundo informações que surgiram há pouco, o lançamento deve acontecer no dia 6 de novembro, mas nada foi confirmado pela BlackBerry. Caso você deseje saber sobre a disponibilidade do aparelho assim que surgirem novas informações, pode se registrar no site oficial da BlackBerry.”

Fonte: Tudo Celular

Ubuntu vence Windows em benchmark rodando Dota 2 Reborn

Ubuntu vence Windows em benchmark rodando Dota 2 Reborn… Quem diria?! Utilizando-se uma placa de vídeo decente (leia-se “cara”) e os drivers mais apropriados é possível realizar esta façanha com uma bela folga.

Ubuntu 15.04 x Windows 10 Pro
Ubuntu 15.04 x Windows 10 Pro

O Windows continua sendo, no geral, um sistema operacional melhor para jogos do que o GNU/Linux, mesmo com todo o empenho despendido pela Valve, Cannonical, AMD e NVidia no sentido de tornar o Linux um ambiente mais amigável para os gamers. Mas é possível provar que o pinguim é capaz de equiparar-se e em certos casos até de superar o SO da Microsoft.

O canal Penguin Recordings publicou no YouTube o vídeo a seguir (em inglês):

O teste foi realizado utilizando-se as seguintes configurações:

Caso não tenha conseguido assistir ao vídeo, não se preocupe. Segue abaixo o resultado do teste:

Ubuntu vence Windows em benchmark rodando Dota 2 Reborn
Ubuntu vence Windows em benchmark rodando Dota 2 Reborn

Nota-se que o resultado é surpreendente, já que a diferença é de mais ou menos 30 FPS (quadros por segundo) nos três quesitos de desempenho: mínimo, máximo e médio.

Resta-nos apenas torcer para que os fabricantes de hardware aprimorem a compatibilidade de seus produtos e softwares (drivers e utilitários) com o GNU/Linux. Ao mesmo tempo, espera-se que os desenvolvedores de jogos invistam mais em tornar seus títulos compatíveis com outras plataformas além do Microsoft Windows, o que certamente contribuirá para que o Linux torne-se, além de uma opção a mais, uma plataforma cada dia mais popular, especialmente entre os gamers.

Fonte: Pplware (Sapo.pt)